Ciclocidade já existe. E agora?

Ciclocidade no ar! No chão e na cidade!

Ciclocidade no ar! No chão e na cidade!

O ato da fundação da Ciclocidade foi muito muito bom, depois de muita luta, muita discussão, empenho de muitas pessoas, gente incrível que deu seu tempo e dinheiro pra isso acontecer.

(Mais fotos da fundação do Mathias, da Laura, do Eduardo, do Pedalante e minhas)

No ato, participando da reunião, vi poucas pessoas de grupos da noite. Reconheci a Renata, do seminal NightBikers, e Tereza, do SaiaNaNoite. Mas esses ciclistas, os que usam a bicicleta para lazer, não são o alvo, o nosso público.
No geral, muitos rostos conhecidos, de outras Bicicletadas, eventos, atividades, enfim.
Mas nunca encontro essas pessoas pedalando pelas ruas, as que estavam no Ato e todos os outros ciclistas que conheço que participam desses grupos. É raríssimo isso acontecer.

Na cidade de São Paulo são feitos 350 mil trajetos por dia de bike (os números são contraditórios e incompletos, haja vista que não foi feito ainda nenhum levantamento sério, mas alguns dados podem ser vistos no site da ANTP e também no NossaSãoPaulo e aqui também, uma discussão sobre estatísiticas no site da ViaCiclo, e mais números do Rio de Janeiro pelo RodasDaPaz ; ter números mais precisos será uma atribuição de nossa nova Associação).

Seo Zé, pedala das 6h às 23h catando papelão. Foto: Pedalante

Seo Zé, pedala das 6h às 23h catando papelão. Foto: Pedalante

Ali, naquele evento de fundação, somos quase nada. Não significamos uma ínfima parcela de ciclistas da cidade de São Paulo.
Na rua nunca encontro nenhum destes ciclistas. No entanto sempre cruzo com dezenas, centenas de outros ciclistas todos os dias: trabalhadores, estudantes, cidadãos de toda a cidade, carregando, levando e trazendo mercadorias, indo e voltando pro trabalho, pra casa, pra escola.

Não sabem usar as leis, não sabem se defender, não conhecem seus direitos.
Carros, motos, ônibus e caminhões violam seus direitos todos os dias, todos os momentos, retirando deles o direito de usar a cidade, usufruir a cidade.
Os motoristas tambem não conhecem seus direitos e deveres. E mesmo quando sabem vale mais o jeitinho, o ‘sou mais eu’, ‘sabe com quem está falando?’.

Carros em vagas de idosos e deficientes

Carros em vagas de idosos e deficientes

Eu tenho pavor de sair às ruas, mas ainda assim me jogo na frente desses rinocerontes bêbados, para exigir meu direito e ameaçar seu espelhinho. Ele quebra a minha perna e até me mata, mas não amassaria sua lataria.
Quero agora que nossa associação me dê recursos para que eu possa usufruir e pedalar na cidade com mais prazer, alegria, segurança.

Ghost bike para Fernando e Antonio - irmão de Fernando escreve uma mensagem na bike.

Ghost bike para Fernando e Antonio - Marcelo, irmão de Fernando.

E que márcias, antonios, marios, josés não percam a vida por causa de 2 minutos da pressa de algum carrocrata.

Que o dia em que usaremos toda a cidade para seres humanos chegue em breve. Feito Portland, San Francisco, Copenhagen, ou mesmo cidades aqui da América Latina, que te dão muito mais segurança e te acolhem como pessoa. Bogotá, Montevideo, tantos lugares, o mundo todo.
Quero que minha cidade também mereça o meu respeito.

Creio que a luta da Ciclocidade agora é essa: conectar todos os ciclistas, criar comunicação entre todos eles e os poderes públicos e privados que direta e indiretamente influenciam no nosso trânsito pelas ruas da cidade; tornar o ato de pedalar em algo viável para mais pessoas, e para quem já pedala em uma ação mais transformadora e prazerosa.

Como disse Thiago Benicchio, primeiro diretor geral da Ciclocidade no ato de fundação da associação, pedalar te transforma, transforma a sua cidade. Eu pedalo.

Share
Esta entrada foi publicada em Bike e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a Ciclocidade já existe. E agora?

  1. P.R.Baptsta disse:

    Amigos do Ciclocidade, achei muito fundamentados os princípios iniciais do grupo e me sinto quase honrado de ser um dos primeiros a se manifestar neste espaço. A ênfase feita em relação aos ciclistas que fazem da bicicleta seu meio diário de transporte está perfeita. Vou acompanhar aqui do sul o trabalho a ser desenvolvido em próximas etapas do projeto e têm desde já a parceria, no mínimo espiritural, do site PINHA LIVRE ( http://www.pinhalivre.org) e CICLISTAS ANÔNIMOS ( http://www.ciclistasanonimos.com ).
    Saudações Ciclísticas
    P.R.Baptista

  2. amanda disse:

    olá! Estive na fundação do Ciclocidade por dica do Leandro, que me encontrou pedalando por acaso aquele dia. Há 1 ano só de bike, circulo entre em média 30 km por dia e é realmente é uma atividade solitária. Fiquei muito feliz em conhecer o pessoal e espero receber noticias e principalmente poder contribuir de alguma forma em grupos, discussóes e ações (não recebi nenhum comunicado desde aquele dia e não consegui criar um password aqui pelo site…).
    Gostaria de frisar minha preocupação com a Educação e comunicação entre ciclistas e todos os outros cidadãos da cidade, pois pra mim a compreensão de DEVERES e DIREITOS de todos são fundamentais pra termos uma melhoria em nossas relações.
    Obrigada e fico no aguardo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *