Pedalando em Buenos Aires e Patagonia

No fim de fevereiro de 2010 estive na Argentina e pedalei por lá.

Isso foi durante o terremoto no Chile (notícias do dia em jornais do Chile aqui e aqui).

Amigos haviam acabado de chegar de Santiago, onde também pedalaram.

Disseram que em alguns prédios altos da capital argentina se pode sentir o tremor. Em regiões próximas à fronteira, Salta e Mendoza, o tremor foi bem forte e causou estragos.

Primeira coisa foi seguir para o norte da Patagônia, Puerto Madryn.

Na ida, por terra, para conhecer o país, ver suas terras.

Planícies absolutamente planas

Planícies absolutamente planas

O visual para dentro dos pampas, indo para o sul, é plano como não havia visto antes coisa igual. Dá a impressão de estar no meio de um mar absolutamente calmo, tal a planitude da região.

Chegando em Puerto Madryn, usamos a melhor maneira de se conhecer qualquer cidade: alugamos bikes e passeamos por toda a cidade. Em um dia de Sol conhecemos toda Puerto Madryn.

Pedaleando pela rambla de Puerto Madryn

Pedaleando pela rambla de Puerto Madryn

Em toda a cidade via muitas pessoas usando a bicicleta para transporte. Era muito legal ver tantas cycle chics de manhã, irem pro trabalho. Pena não ter uma imagem para vocês.

Conociendo a Puerto Madryn en bicis

Conociendo a Puerto Madryn en bicis

O mais legal infelizmente a mulher não pode ir: mountain bike pela Patagônia.

Mirando el Mar desde las rocas

Mirando el Mar desde las rocas

Mario Gadda, portenho que abandonou a loucura da cidade grande e agora vive no começo do fim do mundo, mantem um charmoso restaurante e leva turistas para pedalar nas dunas, praias, pedras e campos da Patagônia.
Foi a coisa mais linda que já fiz em cima de uma bicicleta.

Restaurante de Mario Gadda en Puerto Piramides

Restaurante de Mario Gadda en Puerto Piramides

Mario Gadda del Tracción a Sangre, en Patagonia

Mario Gadda del Tracción a Sangre, en Patagonia

O Mário tem toda a estrutura que você vai precisar: a própria bike, todas top de linha, bermudas de ciclista, capacete, uma mochila com bastante água, lanche de trilha, um snorkel (YES! Há lugares para dar um mergulho alí), ferramentas e tudo o mais, e pode levar grupos de até 5 pessoas.

Playas en Peninsula Valdés. Lindo lindo.

Playas en Peninsula Valdés. Lindo lindo.

Pedalar pela Patagonia foi uma experiência muito foda

Pedalar pela Patagonia foi uma experiência muito foda

Não é baratinho, mais ou menos uns 250 pesos, depende de quantas pessoas e o trajeto.
Mas vale cada centavo. Depois do passeio, ainda tem um banho e uma refeição: deliciosa pasta da casa e uma taça de vinho ou coca-cola.

Depois da trilha, macarrão com ervas e vinho

Depois da trilha, macarrão com ervas e vinho

Os passeios do Tracción a Sangre não saem de Puerto Madryn, mas sim de Puerto Piramides, vilarejo ao lado.
Fale com o Mario e ele te dará todas as dicas.

Já de volta a BsAs, hora de conhecer melhor a cidade. Bikes, é claro.

Há vários e diversos serviços de bike tour em Buenos Aires. A cidade sabe receber bem o turista.

Alguns desses serviços possuem até 3 saídas TODOS os dias. Não precisa nem agendar com antecedência. Ligue no dia e apareça. Sua bike estará lá te esperando.

Saída do BikeTours na Praça San Martin

Saída do BikeTours na Praça San Martin

As bikes são simples, mas não é necessário uma mountain bike para pedalar nas ruas de Buenos Aires.

Bikes para pedalar nas ruas de Buenos Aires

Bikes para pedalar nas ruas de Buenos Aires

Além da cidade ser bem plana, não há os obstáculos com os quais estamos acostumados em São Paulo.

A enorme escultura Flor Generica, que abre e fecha durante dia e noite

A enorme escultura Flor Generica, que abre e fecha durante dia e noite

Conhecemos muita coisa que não poderíamos ter visto nem de carro nem a pé. Fiz bike tour em dois dias e foi ótimo.

Melhor seria eu levar minha própria dobrável, e conheceria tudo sem pagar nada.

Os bonairenses ciclistas reclamam do trânsito e dos carros, mas todo mundo reclama, até em Amsterdã. No entanto há diferenças gritantes entre o que vemos em quase todo o Brasil.

Ciclistas urbanos no centro da cidade de Buenos Aires

Ciclistas urbanos no centro da cidade de Buenos Aires

Muita gente usa a bicicleta. Existe uma estrutura cicloviária nas cidades e mesmo um respeito ao espaço do cidadão.

Ciclistas urbanos no centro da cidade de Buenos Aires

Ciclistas urbanos no centro da cidade de Buenos Aires

As ruas de Bahia Blanca, por exemplo, cidade ao sul de Buenos Aires, tem as calçadas mais largas que as ruas.
Não é legal pensar em ter isso para nós também?

Rua e calçada em Bahia Blanca, AR

Rua e calçada em Bahia Blanca, AR

Recentemente foram instaladas ciclovias em algumas ruas da capital, separada da via dos carros por ‘tartarugas’.
Muita gente reclamou (óbvio, entre eles alguns lojistas e os motoristas, clááááro), muita gente desrespeitou. Mas os ciclistas todos usam.

Ciclovia em via compartilhada

Ciclovia em via compartilhada

Há as ciclofaixas mais antigas, em algumas avenidas e ruas. Alguns carros estacionam, outros usam a via para se locomover mas são poucos os monstroristas, e me pareceu que os ciclistas não se estressam muito.

Ciclofaixa em via compartilhada

Ciclofaixa em via compartilhada

Ao lado de grandes vias de acesso, corredores viários, como a Av Del Libertador, existem ciclovias de fato. Entradas e saídas fáceis, seguras e sinalizadas. Lugar bonito esse ao lado da estação Retiro e da Universidade de Buenos Aires de Advocacia.

Ciclovia separada da avenida

Ciclovia separada da avenida

Cruzamento da ciclovia

Cruzamento da ciclovia

E nas ruas pequenas, oras, o caminho é compartilhado. Parecem soluções óbvias? Pois é…

Pedaleando desde BsAs hasta el Tigre pasamos por San Isidro

Pedaleando desde BsAs hasta el Tigre pasamos por San Isidro

Um caos o trânsito de Buenos Aires? Hmm, assim como o de outras capitais da América Latina.

Ruas do centro de Buenos Aires

Ruas do centro de Buenos Aires

Mas há sim um respeito ao outro, um espírito cidadão que parece perdemos por essas bandas hace muchísimo tiempo.
Ojalá vuelva pronto (tomara que volte logo).

Interior dos trens urbanos. Em muitos lugares se encontra suporte ao usuário de bicicleta em BsAs.

Interior dos trens urbanos. Em muitos lugares se encontra suporte ao usuário de bicicleta em BsAs.

Share
Esta entrada foi publicada em Bike e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

3 respostas a Pedalando em Buenos Aires e Patagonia

  1. Pingback: Tweets that mention WDE » Pedalando em Buenos Aires e Patagonia -- Topsy.com

  2. Pingback: Diários de Uruguay – conhecer cidades em bicicletas | WDE

  3. Marcio Sette disse:

    Um show esse texto , aqui no RJ a prefeitura levanta a bandeira do uso da bike como meio de transporte , mas não temos nem 1/5 da estrutura mostrada pelos Hermanos , aqui no RJ a ciclovia só contempla a orla das praias da zona sul da cidade , temos um transito caótico da região da tijuca para o centro isso num espaço de 6 km e nenhuma ciclovia nesse trecho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *